domingo, 31 de março de 2013

Medidas contra a crise

Medidas do governo brasileiro contra a crise que afetou os EUA e toda a Europa
1.    Determinou a ampliação do desconto usado no cálculo do compulsório adicional sobre depósitos à vista, a prazo e de poupança e adiou a implementação do recolhimento. Sobre depósitos de empresas de leasing. As medidas permitiram a liberação de R$ 13,2 bilhões.
2.    Liberou R$ 7 bilhões do FGTS para capitalizar o BNDES e garantir a manutenção do crédito.
3.    Autorizou bancos que comprarem carteiras de crédito de instituições menores a terem redução do compulsório. A medida libera R$ 23,5 bilhões.
4.    Deu autorização a bancos que operam no exterior a emprestar dólares das reservas internacionais para financiar exportações.
5.     Liberou R$ 5 bilhões para linhas de pré-embarque de mercadorias ao exterior.
6.    Antecipou o vencimento de R$ 1,5 bilhão em contratos de swap cambial, para injetar dólares no mercado.
7.    Elevou o abatimento usado no cálculo do compulsório sobre depósitos a prazo, liberando ao mercado R$ 23,2 bilhões.
8.    Novas regras do BC preveem a liberação de compulsórios num total de até R$ 100 bilhões. No curto prazo, devem ser injetados no mercado R$ 47 bilhões.
9.     Mudança de regras do Conselho Monetário Nacional (CMN) injetou mais R$ 5,5 bilhões no crédito rural para garantir o plantio. O Banco do Brasil já havia decidido antecipar a liberação de R$ 5 bilhões para a agricultura previstos para esta safra.
10.  Governo anunciou um programa de financiamento de capital de giro para as construtoras que pode chegar a R$ 11 bilhões.
11.   Manteve a taxa básica de juros em 13,75% ao ano pela primeira vez desde abril.
12.  Banco do Brasil vai fornecer empréstimos de R$ 4 bilhões aos bancos das montadoras e outros R$ 5 bilhões para capital de giro de médias e pequenas empresas.
13.   BNDES terá linha de financiamentos de R$ 10 bilhões para capital de giro de médias e grandes empresas, empréstimos de pré-embarque e empréstimos-pontes.
14.  O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) aprovou a liberação de R$ 5,25 bilhões do FAT para crédito a micro e pequenos empresários e agricultura familiar.
15.  Ampliou o prazo de pagamento de alguns impostos federais, o que deve significar um alívio de R$ 21 bilhões para as empresas.
16.  Fechou, por meio da Caixa Econômica Federal, parceria com redes varejistas para financiar R$ 2 bilhões em bens de consumo para a população.
17.  Ofereceu, por meio do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, R$ 8 bilhões em financiamento imobiliário para servidores públicos.
18.  Autorizou os bancos a direcionar parte do compulsório sobre depósitos a prazo para certificados de depósitos interfinanceiros do BNDES. A medida permitirá a liberação de cerca de R$ 6,2 bilhões.
19.  O governo anunciou mudanças na alíquota do Imposto de Renda para a Pessoa Física e do IOF para estimular o consumo. Além disso, reduziu o IPI para automóveis, para diminuir os preços ao consumidor.
20.  Obs.: uma coisa importante que quase ninguém ficou sabendo foi que o governo federal diminui o FPM dos municípios e distribuiu para as famílias do programa bolsa família.

Nenhum comentário:

Postar um comentário