terça-feira, 25 de setembro de 2012

Leilão de virgindade já há lances de 300.000 reias

O pai de Catarina, a estudante brasileira que está vendendo a virgindade na internet, não foi avisado sobre a decisão da filha de leiloar a primeira relação sexual. Moradores de Itapema, em Santa Catarina, a mãe e o irmão apoiaram a participação da jovem no documentárioVirgins Wanted, do diretor australiano Justin Sisely, mas ela ainda não conversou com o pai a respeito do assunto. "Minha mãe me apoia porque é minha melhor amiga e estará ao meu lado incondicionalmente", contou.
Vivendo na Austrália e com pais separados, Catarina assegura que teve uma vida tranquila. "Amo muito minha família e sou correspondida por eles. Nunca passei necessidade e sempre tive tudo que precisava para viver adequadamente", afirmou. A estudante de Educação Física garante ainda que não foi pressionada ou forçada a participar do filme.
"O corpo é meu, a virgindade é minha, eu sou maior de idade e responsável pelos meus atos. Pode não ser da maneira considerada mais nobre e exemplar, mas eu estou tentando", comentou. A jovem cita o ex-presidente dos Estados Unidos Theodore Roosevelt para responder as críticas que vem sofrendo por vender a primeira experiência sexual: "É muito melhor arriscar coisas grandiosas, alcançar triunfos e glórias, mesmo expondo-se à derrota, do que formar fila com os pobres de espírito que nem gozam muito nem sofrem muito, porque vivem nessa penumbra cinzenta que não conhece vitória nem derrota".
Segundo a estudante, parte do dinheiro obtido no leilão será doado para a construção de casas populares. "Eu quero criar um projeto com o objetivo de ajudar pessoas a terem seus próprios lares. Não será muito, eu sei, mas se eu puder ajudar apenas uma familia necessitada a ter sua própria casa, já será algo muito bom", afirma. "Só não serei hipócrita de dizer que doarei 100% do valor do leilão, pois eu também tenho meus interesses pessoais", acrescentou.
O investimento no projeto vai depender do lance final do leilão, que encerra dia 15 de outubro. "Pode parecer contraditório, mas eu não falo isso para justificar nem inverter a situação. Quero apenas mostrar que tudo pode ter um lado positivo. Não estou sendo demagoga, política nem religiosa. Longe disso!"

Da Redação

Austrália  - O caso de uma jovem brasileira que está participando de um leilão da própria virgindade anda causando polêmica na Internet. Catarina, que mora na Austrália, aceitou participar de um documentário do diretor australiano Justin Sisely. 
Um americano já ofereceu US$ 100 mil pela virgindade da brasileira. O documentário está sendo rodado em Bali, na Indonésia. O lance final será dado em 15 de outubro.
Segundo o Terra, o diretor pode sofrer um processo por favorecer prostituição, mas diz estar preparado. "Tecnicamente, você pode dizer que é prostituição, mas isso também é uma dicotomia porque eles são virgens. É sexo pela primeira vez", argumentou. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário